Casos famosos de feminicídio no Brasil

Doca Street mata Ângela Diniz

Ângela Diniz - A pantera de Minas
Ângela Diniz – A pantera de Minas

A ‘Pantera de Minas’, a socialite Ângela Diniz foi assassinada em 1976 por Raul, o Doca Street. Doca namorou Ângela por quatro meses e a matou com três tiros no rosto e um na nuca, durante uma briga pelos seus ciúmes, após ela ter supostamente confidenciado outros casos. Na época, a defesa disse que ela teria convidado a artesã Gabrielle Dayer para uma noite a três, e ele teria recusado. O crime ocorreu na casa de veraneio de Ângela no Rio. Leia mais.

Pimenta Neves mata Sandra Godime

Ele se achava o responsável por tudo que a ex-namorada possuía, desde emprego, salário e amigos. A cada rompimento, o diretor de redação do jornal O Estado de S. Paulo, Antônio Marcos Pimenta Neves pedia à colega de profissão e subordinada Sandra Gomide que ela devolvesse roupas, jóias, selas de cavalo e outros presentes. O namoro durou quatro anos e, menos de um ano após a separação, Pimenta, 63 anos, tomado de ciúmes, matou Sandra com dois tiros.

04Antes do crime, Pimenta tentara a reconciliação. Sem sucesso, demitiu Sandra do jornal e telefonava a amigos da imprensa para falar mal da ex a fim de que ela não conseguisse emprego. A notícia de que Sandra estaria se envolvendo com outro homem foi a gota d’água para que Antônio Pimenta cometesse o crime. A tragédia aconteceu em um haras em Ibiúna (SP), onde a jornalista costumava cavalgar. Quando ela chegou, Pimenta a esperava. Após uma discussão, os tiros foram disparados. Após o crime, Pimenta ficou internado porque ingeriu 72 comprimidos de Lexotan e Frontal (tranqüilizantes). Réu confesso, ficou preso até março do ano passado e aguarda julgamento em liberdade. A denúncia atribui a ele homicídio duplamente qualificado. Leia mais.

Lindomar Castilho mata Eliana de Grammont

05“Ele estava a quase dois metros dela quando disparou. Levantei do banco e atirei o violão no rosto do assassino… Somente mais tarde percebi que também estava ferido, com uma bala na barriga. Mesmo assim, acompanhei Eliana, que chegou morta no hospital.” A descrição é do violonista Carlos Roberto da Silva, parceiro musical da vítima, Eliana de Grammont, que tinha 26 anos, e primo do assassino, o músico Lindomar Castilho.

O crime aconteceu em 1981 no bar Belle Époque, em São Paulo. Lindomar alvejou a ex-mulher e cantora no peito. Eliana e Lindomar se casaram dois anos antes do crime. O cantor era agressivo, ciumento, bebia sem moderação. Quando Eliana foi morta, fazia 20 dias que o desquite havia sido formalizado. Lindomar descobriu que a ex-mulher tinha um caso com seu primo Carlos e ainda o culpa. Leia mais.

Augusto Gallo matou Margot Proença

Ele suspeitava que a mulher o traía e iniciou uma investigação particular. Pai de duas crianças, uma delas Maitê Proença Gallo, hoje atriz da Globo, o procurador de Justiça Augusto Carlos Eduardo da Rocha Monteiro Gallo achou que o professor francês Ives Gentilhomme, que dava aulas para sua esposa, Margot Proença Gallo, era seu amante. Com 12 anos, Maitê declarou “ter visto o professor na cama da sua mãe, vestido de pijama”. Com as evidências, Augusto marcou um encontro decisivo com a esposa. Na discussão em casa, Margot recebeu 11 facadas do marido e morreu aos 37 anos, em 1970. Augusto foi inocentado. Leia mais.

Igor Ferreira mata Patrícia Aggio

“O promotor [Igor] matou a mulher dele e o Genivaldo vai segurar essa bronca. Você sabe que o Genivaldo vai pegar uma condenação de trinta anos. Então para ele, uma a mais, uma a menos, não vai fazer diferença.” A frase foi dita pelo irmão do promotor Igor Ferreira da Silva à esposa de Genivaldo, então preso. Chocada com a armação para que seu marido, preso em uma delegacia em Guarulhos sob acusação de latrocínio e estupro, assumisse a culpa pelo assassinato de Patrícia Aggio Longo, ela decidiu denunciar. E reproduziu tudo às autoridades que investigavam o assassinato de Patrícia, morta com dois tiros na cabeça. Estava grávida de sete meses. Um teste de DNA mostrou que o bebê que Patrícia esperava não era do promotor. Leia mais.

Pontes Visgueiro mata Maria da Conceição

Desembargador de 62 anos estava apaixonado pela prostituta Maria da Conceição, de 17 anos, e movido pelo ciúme matou-a com um punhal. O crime aconteceu em Pernambuco em 1873 e Visgueiro foi condenado à prisão perpétua. Leia mais.

Lindemberg Alves tenta matar Eloá Pimentel

02Em 2008, Eloá Pimentel seria mais uma vítima de crime passional no país. A adolescente de 15 anos namorava Lindembergue Alves, 22, há pouco mais de dois anos entre idas e vindas. No último término o jovem ficou inconformado e sequestrou a ex-namorada por pouco mais de 100h horas. Toda a história foi acompanhada pela população através da mídia. Quando a polícia decidiu por invadir o cativeiro, Lindembergue disparou dois tiros contra a vítima que ficou inconsciente e chegou morta ao hospital. No julgamento realizado neste ano de 2012 Lindembergue confessou ter atirado na ex-namorada e foi condenado a 98 anos e dez meses de prisão pelos 12 crimes que cometeu ente sequestro, tentativas de homicídio e posse ilegal de arma. De acordo com a legislação ele deve cumprir no máximo com 30 anos, dos quais já cumpriu três.  Leia mais.

Goleiro Bruno Souza mata Eliza Samudio

03Em 2010, Eliza Samudio deixou um hotel no Rio de Janeiro. O destino era o sítio de Bruno Souza, goleiro do Flamengo, e suposto pai do filho dela. Uma distância de cerca de 500 km separava o hotel até o sítio do jogador, em Esmeraldas (MG). O motivo da viagem era a promessa de um apartamento no nome dela e do reconhecimento da paternidade do filho. Eliza embarcou com a criança no carro do goleiro. Ao volante estava Luiz Henrique Romão, o Macarrão, secretário e melhor amigo de Bruno. Um menor armado se escondia no porta-malas. A violência contra a moça começou ainda na viagem. Com o carro em movimento, o adolescente pulou para o banco de trás e rendeu Eliza.

Após levar coronhadas na cabeça, mãe e filho foram levados para o sítio onde ficaram sob vigilância dos comparsas do jogador até o dia 10 de junho. Neste período, Bruno visitou o sítio. No dia 10, Eliza foi levada para a casa de Marcos Aparecido dos Santos, conhecido como Bola, um ex-policial civil que já tinha envolvimento em outros crimes. Segundo relatos dos envolvidos, que constam no inquérito policial e também no processo penal, Bola teria matado Eliza Samudio. Leia mais. 

Cláudia Lessin morre na mão de estrangeiros

Cláudia Lessin Rodrigues morreu no Rio de Janeiro, em 23 de julho de 1977, aos 21 anos. Seu corpo foi encontrado dois dias depois, nas pedras do Chapéu dos Pescadores, na Avenida Niemeyer. Ela estava nua e tinha um saco cheio de pedras amarrado ao pescoço. Logo, a polícia chegou aos nomes de dois suspeitos que estavam com ela em uma festa na noite de seu desaparecimento: George Khour e Michel Frank.

Frank tinha dupla nacionalidade, fugiu para a Suíça e escapou da justiça brasileira. O julgamento do caso ocorreu em 1980, três anos após a morte de Cláudia, e durou cinco dias, um dos mais longos do Tribunal do Júri no Brasil. Ao final, George Khour foi condenado por ocultação de cadáver e cumpriu pena de três anos e quatro meses. O júri concluiu que ele não era o autor da morte de Cláudia Lessin. Michel Frank não foi julgado e morreu assassinado em Zurique, em setembro de 1989. Leia mais.

Seções

Introdução
1. Trajetória de Maria Mercedes Féa
1.1 Pesquisa sobre culto popular à Maria Féa – Capítulo 3 (link externo)

2. Consequências do machismo
2.1 Pesquisas sobre machismo no Brasil (link externo)
2.2 Vítimas de ‘vingança pornô’ (link externo)
2.3 Relatos da campanha ‘meu amigo secreto’ (link externo)
2.4 Relatos da campanha ‘meu primeiro assédio’ (link externo)
2.5 Casos de assédio em Santos (link externo)

3. Garantias graduais de direitos às mulheres
3.1 Guia de leis brasileiras dos Direitos da Mulher (link externo)
4. Violências contra a mulher: feminicídio e crimes íntimos
4.1 Casos famosos de feminicídio no Brasil
4.2 Casos de feminicídio no Brasil (link externo)
4.3 Casos recentes de feminicídio na Baixada Santista
4.4 Obras artísticas sobre feminicídio e machismo (link externo)

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s