Livro sobre #EuEmpregadaDoméstica é tema de crowdfunding de Preta Rara

Por Equipe Preta Rara

Sou Joyce Fernandes, a rapper Preta Rara, e, em 19 de julho deste ano, relatei no Facebook alguns abusos sofridos na época em que eu era empregada doméstica. Em menos de uma hora após a publicação, recebi uma enxurrada de mensagens e criei a página #EuEmpregadaDoméstica, que ultrapassa 130 mil seguidores, para divulgar os mais diversos tipos de humilhações e agressões – física, moral e psicológica – sofridas cotidianamente por muitas empregadas domésticas no país.

Chegou a hora da nossa voz ecoar e de reunir esforços para que sejam publicados alguns dos mais de 4 mil relatos recebidos, em formato de um livro autêntico, escrito pelas domésticas como protagonistas de suas próprias histórias. Caso a campanha ultrapasse a meta inicial, será gravado um documentário inédito, para dar rosto e vozes aos relatos, até então anônimos. Contribua, divulgue, compartilhe e espalhe pra geral, conheça a nossa campanha!

O livro

A trajetória da rapper Preta Rara será contada por meio de uma narrativa desenvolvida em dois planos de ação, espaço e tempo: vozes por detrás dos relatos recebidos ilustram o plano da ‘realidade’, em paralelo ao plano do universo psicológico dos desejos e pensamentos. A narrativa contará quem são essas mulheres e como lidam com as suas relações sociais e familiares.

Em determinados momentos da história não será possível distinguir se a história pessoal da rapper é a de sua própria mãe, ou de outras personagens ilustradas pelos traços da grafiteira Nenê Surreal. O universo psicológico dos desejos e pensamentos das personagens serão criados pela artista plástica Ana Maria Santana, cujo desenho possui influência cubista abrasileirada pela arte naif.

O documentário

Já o documentário será a voz de algumas mulheres que enviaram seus relatos para o e-mail da página. Também será registrado como foi o processo de construção do projeto ‘Eu Empregada Doméstica’ e sua rápida repercussão nacional e internacional.

A voz de cerca de 6 milhões de brasileiras ecoará e será ouvida, talvez pela primeira vez na história recente do país, que abriga a segunda maior população de descendentes de africanos em diáspora, porém alimenta um traço enraizado em sua cultura que vitima e condena milhões de brasileiros: o racismo cotidiano ‘naturalizado’ e institucionalizado em praticamente todas as esferas das relações sociais brasileiras.

Preta Rara

A santista Joyce Fernandes (31 anos) trabalhou como empregada doméstica durante sete anos e se formou em História após frequentar a Educafro. Virou turbanista, dona de marca de roupas e uma mulher capaz de reunir milhares de admiradores nas redes sociais. Começou a cantar na igreja aos 12 anos e, em 2013, já como Preta Rara dividiu o palco com o rapper Criolo, e a partir de então, foi convidada por outros artistas, como BNegão, DiMelo, Nanny Soul.

Como militante, participa de grupos de discussões sobre feminismo, cultura negra e gordofobia. Em sua trajetória recebeu premiações, com destaque para o Prêmio Jovens Pensadores (Governo Estadual), a Medalha Theodosina Ribeiro (ALESP), Troféu Zumbi dos Palmares (Conselho da Comunidade Negra de Santos).

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s