Entrevista: ‘Sim, o Mirada está consolidado’, diz curador em balanço do festival

Por Lincoln Spada

Com 65 mil espectadores, o 4º Mirada – Festival Ibero-Americano de Artes Cênicas foi o evento cultural de maior público este ano em Santos e Região. Com edições bienais desde 2010, o evento realizado pelo Sesc São Paulo reúne outros números expressivos durante os seus 11 dias de eventos (8 a 18 de setembro).

Ao todo, mais de cem atividades artísticas, incluindo desde laboratórios criativos e palestras até leituras dramáticas, mobilizando 417 artistas e 68 nomes ligados ao teatro convidados. Com caráter de mostra, o Mirada concentrou 43 espetáculos, geralmente com duplas sessões, sendo 28 peças internacionais, somando 12 países – América Latina, Portugal e Espanha, sendo este o país homenageado da atual edição.

Como nas vezes anteriores, o festival abrangeu outros municípios da Baixada Santista, como Bertioga, Cubatão, Guarujá, Praia Grande e São Vicente. Toda a repercussão desse intercâmbio permitido pelo Sesc através do Mirada é abordado em uma entrevista virtual com Luiz Fernando Silva, membro da curadoria e produção do Mirada.

a6Com a quarta edição, o Mirada completa seu sétimo ano, tendo boa parte da sua bilheteria já reservada antes do festival. Pode-se entender que o evento está de vez consolidado e acolhido pela Baixada Santista?

Sim. É importante considerar que esta consolidação, com um público expressivo da região, soma-se a participação dos artistas que apresentam seus trabalhos e também acompanham outras companhias, técnicos de outras unidades do Sesc e programadores convidados de importantes festivais do Brasil e da rede iberoamericana.

a7A crise econômica nacional reduziu de alguma forma o orçamento, a bilheteria ou o público do festival? Como equilibrar o investimento e a qualidade dos espetáculos?

Na quarta edição do Mirada, mesmo sendo realizada em um cenário econômico delicado, foi possível manter a qualidade da programação e praticamente o mesmo volume de ações de 2014, em razão de parcerias com parte dos grupos internacionais convidados e demais fornecedores.

Este ano, a estreia do Mirada apresentou uma peça espanhola que produziu o choque cultural com parte do público, gerando boicotes e uma multa municipal no uso de animais no palco. Como o Sesc lida com essa questão e até que ponto observa que a sessão possa vir a afastar o público da instituição e dos teatros na região?

A curadoria do festival atua como um radar, trazendo para a programação reflexões sobre temas presentes no debate global – refugiados, consumismo, gênero, feminismo, entre outros temas que estiveram presentes na programação. Faz parte da ação do Sesc ampliar as possibilidades de interação e o contato com expressões e modos diversos de pensar, agir e sentir.

a5Neste sentido, sentimos falta de um debate crítico sobre o conteúdo apresentado, pois não temos a pretensão de agradar a todos, mas sim provocar um debate saudável sobre os caminhos escolhidos pelas artes cênicas contemporâneas. Sobre a utilização de animais no palco, o Sesc estava amparado por orientações de dispositivos estaduais além de garantir todos os cuidados necessários.

Entendemos que o estranhamento faz parte de algumas propostas apresentadas e não deveria chocar e sim trazer para o debate e reflexão os assuntos abordados e o pensamento de quais rumos desejamos seguir na sociedade.

Mais de uma dezena de países foram representados por diferentes companhias no festival. Como que o Sesc se vê como epicentro desta efervescência internacional? Desde o primeiro festival, que frutos percebem ser colhidos a partir desse intercâmbio artístico?

a1O Mirada a cada edição procura ampliar o intercâmbio com diversas instituições vinculadas à ação sociocultural. Entre as edições do festival, o Sesc realiza visitas a festivais e demais instituições por meio da assessoria internacional, que articula a agenda de assistentes do Sesc SP em artes cênicas no mapeamento de grupos e possíveis parcerias.

A escolha do país homenageado acaba sendo uma estratégia, não só para apresentar uma cena pungente com um panorama de grupos em destaque, como também fortalecer vínculos para além do festival. Um exemplo nesta edição é uma coprodução do espetáculo ‘Dínamo’ da Cia Timbre 4 da Argentina, país homenageado na primeira edição.

O festival também funciona como vitrine aos programadores convidados de outros festivais que analisam e circulam com os trabalhos. Em 2012 a Cia Antigua y Barbuda convidada pelo Mirada apresentou seu trabalho em 2013 no Festival Santiago a Mil no Chile em razão deste intercâmbio.

No início, muito se comentou que a criação do Mirada era uma alternativa à futura saída da Bienal Sesc de Dança, que migrou em 2015 para Campinas. É comum essa descentralização de eventos de grande porte pelas unidades do Sesc? E como hoje o Sesc lida com o cenário dos grupos de dança de Santos e região?

a1A decisão de descentralização é resultado de estudos da instituição no mapeamento estratégico de ações no Estado de São Paulo. Entendemos que a Bienal de Dança, um projeto que nasceu na unidade Santos atingiu sua maioridade, tornando-se um projeto do Regional.

O Sesc Santos nos últimos anos, investiu em projetos de formação e pesquisa em Dança Contemporânea com destaques para os projetos: De Improviso, Ocupação 32, Olhar a Dança, Corpo Sub Corpo, Escambo, entre outras ações. O resultado dessas ações foi o protagonismo de parte dos artistas da região envolvidos nos projetos citados em ações dentro e fora do Sesc. E com base nestas experiências acreditamos que seja um caminho interessante para seguir.

Principal evento cultural da Baixada Santista, o Mirada já alcança espaços alternativos em Santos e se espraiou por outras cidades. Mas não houve nesta edição qualquer itinerância nas áreas de maior vulnerabilidade em Santos – morros e Zona Noroeste. A que se deve essa razão e se pretende nas próximas edições voltar a abranger estas regiões?

a3A ocupação de espaços é analisada a cada edição com base em alguns contextos: curadoria, questões técnicas e operacionais. Na impossibilidade de realização nestas áreas, procuramos concentrar as ações em espaços democráticos como a “Orla da Praia” e “Centro” no caso da extensão do Festival.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s