Mostra Ecofalante realiza itinerância no Parque Cotia-Pará

Por Lincoln Spada

O patrimônio naval de Fernando de Noronha, o panorama nacional sobre agrotóxicos e a coleta feita por catadores de lixo na capital paulista são detalhados em documentários exibidos na Plataforma Ecofalante, na próxima quinzena, em Cubatão. Trata-se da itinerância da Mostra Ecofalante de Cinema Ambiental em parceria com o Programa Pontos MIS, articulação entre o Museu da Imagem e do Som de São Paulo, Governo Estadual via Secretaria da Cultura e Prefeitura através das secretarias de Cultura e de Meio Ambiente.

Com abordagem interdisciplinar de temáticas socioambientais, são filmes que estimulam o debate e a reflexão sobre grandes questões da realidade brasileira e mundial. As sessões gratuitas serão em três espaços, entre eles, a UME Dom Pedro 1º (Vila Natal) e a E.E. Júlio Conceição (Vila Couto). Por sua vez, o Núcleo de Educação Ambiental no Parque Cotia Pará (Rodovia Anchieta, KM 56,5, Pista Sul) terá títulos relacionados à ‘Contaminação’ dia 3 (14h) e ‘Povos e Lugares’ dia 4 (14h). Confira a sinopse de cada programa audiovisual.

Filmes sobre ‘Contaminação’

>> ‘Volume Vivo: A Água de Dentro’ (Brasil, 2015, 29 minutos). Direção de Caio Silva Ferraz. O segundo episódio da web-série “Volume Vivo” expõe as possíveis consequências de uma gestão de recursos hídricos que tem como lógica buscar água cada vez mais longe ao mesmo tempo que negligencia as fontes de água próximas.

>> ‘O Veneno Está na Mesa’ (Brasil, 2011, 49 minutos). Direção de Silvio Tendler. O Brasil é, desde 2008, o país que mais consome agrotóxicos no planeta. Muitos desses herbicidas e pesticidas estão proibidos em quase todo o mundo pelo risco que representam à saúde humana e ambiental. O perigo é tanto para os trabalhadores que manipulam os venenos quanto para a população do campo e das cidades que consomem os produtos agrícolas com agrotóxicos.

Filmes sobre ‘Povos e Lugares’

>> ‘Ninguém Nasce no Paraíso’ (Brasil, 2015, 25 minutos). Direção de Alan Schvarsberg. No paraíso da ilha de Fernando de Noronha, espécies em extinção como a tartaruga marinha, que sempre retorna ao local onde nasceu para depositar seus ovos, encontram abrigo e políticas de preservação. Em contrapartida, a espécie humana encontra-se em extinção pela atual proibição do nascimento na ilha. Assim que completam 7 meses de gravidez, as mulheres são forçadas a deixar suas casas rumo a Recife.

>> ‘Feito Torto Para Ficar Direito’ (Brasil, 2015, 53 minutos). Direção de Bhig Villas Bôas. Grande parte do patrimônio naval da humanidade está representada nos barcos tradicionais brasileiros. A obra revela o saber náutico de nossos mestres carpinteiros anônimos, apresenta seus estaleiros artesanais e as comunidades originais onde este saber foi passado de geração em geração, apresentando também as dificuldades encontradas por estes artesãos em dar continuidade a sua prática.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s