Arquivo da tag: fotografia

Projeto Com Com abre inscrições para curso de fotografia

Por Lincoln Spada

As noções e técnicas da arte da fotografia serão partilhadas em curso oferecido gratuitamente pelo Projeto Com Com – Comunicação Comunitária neste mês de outubro. As inscrições podem ser realizadas na sede da entidade (Faixa do Oleoduto, 5, Pinhal do Miranda) ou pelo correio eletrônico projetocomcom@gmail.com. Informações: (13) 3377-1570.

Com duração de 24 horas, a atividade formativa será realizada no período de 17 de outubro a 1º de novembro, às terças, quartas e quintas-feiras, das 14 às 17 horas. No decorrer do cronograma, a turma aprenderá sobre macrofotografia, fotografia publicitária e de eventos sociais, edição e tratamento de imagens, entre outros temas.

O Projeto Com Com tem como objetivo integrar por meio de veículos locais de comunicação os moradores dos bairros envolvidos no programa socioambiental da Serra do Mar. A iniciativa é uma realização do Governo Estadual, da CDHU e do Banco Interamericano de Desenvolvimento, com apoio da Prefeitura de Cubatão.

Anúncios

Oficina de fotografia expande aptidões culturais em PG

Por Prefeitura de Praia Grande

Na tarde de terça-feira (25), mais de 30 alunos participaram do encerramento da Oficina de Fotografia – Especial Férias e o encontro ocorreu na sede da Subsecretaria de Assuntos da Juventude (Subjuve), que está localizada no Bairro Tupi. O objetivo do curso foi desenvolver as aptidões culturais e artísticas, integrando os alunos por meio da fotografia.

O subsecretário de Assuntos da Juventude, Augusto Schell, agradeceu aos alunos, que durante cinco encontros participaram ativamente do curso. “Essa segunda turma teve uma grande procura e esperamos que na próxima tenhamos ainda mais participantes”.

A aposentada Sueli Barreira Peres, de 63 anos, ficou sabendo do curso quando estava fazendo suas atividades nos programa Conviver, que fica no mesmo prédio da Subjuve e, então, resolveu participar. Peres acredita que o curso lhe deu uma nova visão sobre o que é a fotografia. “Nunca tinha participado de nenhum curso dessa área e aprendi a centralizar, a mexer em aplicativos e alguns recursos da câmara. Tenho planos de fazer outros cursos para ampliar meus conhecimentos”, ressalta a aposentada.

O estudante de fotografia e morador de Jundiaí Rafael Pereira, de 19 anos, está passando férias na Cidade e ficou sabendo do curso por intermédio de uma amiga. Pereira ainda não teve a parte prática na graduação e por isso resolveu fazer o curso. “Estou aprendendo agora um pouco da parte prática e quando voltarem as aulas na faculdade estarei à frente da minha turma”.

A Subjuve realiza diversos programas com o objetivo de integrar a comunidade praia-grandense e está localizada na Rua Xavantes, 51, dentro do Vivência Tupi, no Bairro Tupi. Outras informações sobre os cursos e programas realizados podem ser obtidas pelo telefone: 3496-5684.

 

TUmobgrafia representará o Litoral Paulista em festival latino-americano

Por Maurício Businari

A TUmobgrafia (TUmob), primeiro grupo do Litoral Paulista dedicado à fotografia mobile, foi convidada a exibir uma compilação de imagens vencedoras da “Foto do Dia”, no Museu da Imagem e do Som de São Paulo (MIS – Av. Europa, 158/São Paulo). As fotos escolhidas, que começaram a ser publicadas em julho do ano passado, farão parte de um vídeo que integra a seleta grade de projeções do 4o Festival Latino Americano de Mobgrafias (FLAMOB).

Selecionamos para a exibição 113 imagens, que irão representar os diferentes olhares dos membros do nosso grupo, neste que é um dos mais relevantes festivais de mobgrafia da América Latina, realizado num dos mais renomados museus do Audiovisual do Mundo.

Foto do Dia

Todos os dias, a Tumob seleciona e publica a melhor imagem postada em nosso grupo público no Facebook. É a “Foto do Dia”. O vídeo com algumas dessas imagens será exibido diariamente no museu paulistano, de forma contínua, e poderá ser apreciado de 13 de abril a 28 de maio, entre as diversas atrações que a mObgraphia Cultura Visual preparou para esta edição do FLAMOB. A curadoria das fotos revela a expansão da TUmobgrafia, que acabou por atrair a participação de fotógrafos de outras cidades, estados e países. A projeção é exibida desde o último dia 13 e segue até 28 de maio, de terça a sábado, das 12h ás 21h, e de domingos e feriados, das 11h às 20h.

Com mais de 8.300 membros ativos no Facebook, o grupo encerrou recentemente, no Museu Pelé, uma temporada da exposição #pelobairrovalongo, iniciada no histórico imóvel da Barbearia Santista, durante o Valongo Festival Internacional da Imagem, em outubro do ano passado. A mostra foi a primeira do Litoral Paulista a focar integralmente no universo da fotografia mobile e contou com interatividade digital, estimulada pelo uso de QR Codes e recursos audiovisuais).

 

6º Facult – Concurso de Apoio a Projetos Culturais Independentes tem 82 inscritos

Por Secult Santos

O 6º Concurso de Apoio a Projetos Culturais Independentes no Município de Santos tem 82 trabalhos inscritos, que serão submetidos à análise de duas comissões, que examinarão a documentação obrigatória entregue pelos proponentes e a relevância, valor cultural e metodologia dos projetos. Do total de inscritos, 30 trabalhos serão contemplados, cada um com verba municipal de R$ 12 mil, totalizando R$ 360 mil de aporte do Fundo de Assistência à Cultura (Facult) no incentivo à produção cultural independente na Cidade.

O concurso reúne propostas nos segmentos de artes plásticas, artes gráficas, artesanato, cultura integrada e popular, circo, artes de rua, dança, música, teatro, cinema, videografia, fotografia, literatura, patrimônio cultural e natural, infraestrutura cultural ou outros segmentos aprovados pelo Conselho Municipal de Cultura de Santos.

O resultado das fases de conferência de documentação e análise do conteúdo será publicado no Diário Oficial de Santos, conforme prazos de avaliação e recursais previstos no decreto 7.628, de dezembro de 2016, disponível na página egov.santos.sp.gov.br/legis/. Mais informações pelo tel. 3226-8000.

 

Filme e oficina de fotografia são atrações no Gabinete de Leitura de Itanhaém

Prefeitura de Itanhaém

O Programa Pontos MIS retorna neste mês com exibições gratuitas de filme e oficina de fotografia. A animação ‘Fuga das Galinhas’ será exibida nos dias 14 e 16, às 9 e às 14 horas, e no dia 17, às 9 horas. As sessões acontecerão no Espaço Gabinete de Leitura, na Praça Carlos Botelho, 149, no Centro. A entrada para o oficina é gratuita, com número de vagas limitado. Informações pelo telefone 3427-7981.

Outra atração confirmada para o mês de março é a oficina ‘Luz Ambiente e Ambiente Luz’ no dia 17, a partir das 13 horas, realizada pela fotógrafa Elisabete Savioli. O objetivo é explorar as possibilidades de construção na fotografia com análises e manipulação, fazendo com que os alunos ampliem seu conhecimento e criatividade.

PONTOS MIS

Programa é uma parceria da Secretaria de Estado da Cultura com o Museu da Imagem e do Som de São Paulo e o apoio do Departamento de Cultura. O projeto percorre diferentes municípios do Estado de São Paulo com uma programação repleta de atividades culturais.

 

Cadeia Velha: A véspera da palavra recuada como centro de artes integradas

Por Lincoln Spada

“Adoraria que ficasse como centro cultural, mas não é objetivamente mais possível”, sentenciou José Roberto Sadek, explicitando as fotos dos últimos festivais na Cadeia Velha. Com as imagens na mão, o titular da Secretaria de Estado da Cultura (SEC) estava diante de um público inesperado no último dia 10, na sede da Agência Metropolitana da Baixada Santista, a Agem.

Às 10 horas da manhã seguinte, a mesma SEC começou o mesmo anúncio como ‘boa notícia’ nas redes sociais, simultaneamente a uma coletiva de imprensa às pressas. O pequeno intervalo garante que a primeira reunião era tão somente um comunicado extraoficial. Tudo resolvido antes, independente da plateia, surpreendentemente de membros de festivais, audiovisual, literatura, teatro, circo, hip hop e fotografia. Não à toa, dos dez artistas e ativistas presentes, apenas três deram a opinião.

A maior parte das três horas do encontro foi protagonizada por gestores políticos. Sadek alegou que a SEC não tem função de manter prédios além de museus, que a pasta e as prefeituras enfrentam uma grande crise financeira, e que preferiu cortar as equipes e unidades regionais da OS Poiesis para repassar a órgãos das capitais (Assessoria Técnica dos Municípios e a própria Poiesis) as parcerias diretas com parte interessada dos demais 644 municípios para envio de oficinas artísticas.

Em seguida, citou que a Agem sairia do aluguel da Vila Mathias para assumir a casa própria governamental: a Cadeia Velha. Além disso, transferiria o único programa estadual de cultura na Zona Noroeste que atende 300 crianças, para usar o horário comercial do patrimônio cultural, otimizando recursos estaduais. Eis o rumo do polo municipal do Projeto Guri. “Ninguém nega que crianças são uma prioridade”, só que seguiu inflexível na cessão de qualquer uma das oito celas para os coletivos artísticos locais. “Não sei se é compatível o [uso do espaço do] Projeto Guri com os artistas [da Baixada Santista]”.

Casa própria de quem?

Rasgando as palavras da SEC destes últimos anos, Sadek não somente desfez os compromissos firmados do Governo Estadual diante da imprensa e das audiências públicas, como negou haver possibilidade dos artistas locais de tão somente ensaiarem ou se apresentarem nos sábados e às noites durante a semana. O mesmo tom irredutível foi adotado pelo subsecretário estadual de Assuntos Metropolitanos, Edmur Mesquita (PSDB). Ambos usaram como metáfora que a Agem e as crianças como vizinhas de um condomínio, e ambos não demonstraram publicamente haver espaço para os primeiros moradores da Cadeia Velha: a comunidade artística.

Alguns ali viram como golpe. Outros, estelionato eleitoral. Já Edmur citou duas vezes o fato como “uma oportunidade de metropolizar a cultura”, embora repetisse mais um par de vezes que “não é competência da Agem gerir um centro cultural”. Justamente alterando o uso do patrimônio que recebeu milhares de visitantes a partir de terem reconhecido como centro regional de artes integradas, conforme promessas do Governo Estadual.

Ali, só em 2016, teve o teatro de mamulengos itanhaense e o circo cubatense, a banda vicentina e o hip hop santista, do Fescete ao Curta Santos, da Sansex ao FESTA, do Mirada ao Festival Valongo. Para ele, a nova fase permitiria definir através da cultura um ponto de vista metropolitano, mas esqueceu que a própria agência e os gestores municipais não têm histórico de diagnósticos do setor. Cancelado o fórum regional de cultura no ano passado, o único evento de debates assessorado pela agência foi em 2009.

Ora desconexos, ora divergentes

Naquela noite, Edmur citou que nesse futuro iminente, seria possível fazer o tão sonhado projeto de circulação de apresentações de grupos locais, o Colar Cultural, discutido há oito anos. Mas não explicou esta utopia, pois o fundo metropolitano não prevê pagamentos de cachês artísticos, vide a Revirada Cultural da agência regional de Campinas. Daí informou que haveria uma sala eventual para exposições e apresentações a ser agendada por um assessor que dialogaria com os artistas locais, porém, exemplificou que as atrações seriam orquestras. Em geral, ligadas às prefeituras.

Entre tantas controvérsias, abordou ser contrário da criação de um já anunciado conselho gestor com a sociedade civil, em especial os artistas que frequentam a Cadeia Velha, pois não via experiências exitosas neste sentido. Então, propôs que a discussão fosse complementada noutro conselho, a câmara temática dos secretários municipais do setor na região – muitos nem conviveram com os 35 anos do prédio como centro de artes integradas.

Por sua vez, o secretário da Cultura de Santos, Fábio Nunes (PSB) propôs de que, dado o convênio das oficinas culturais entre SEC e Secult, ele buscaria aplicar esse valor em ações formativas na Cadeia Velha. Sugeriu de que cada prefeitura empregasse um funcionário para colaborar no espaço como centro de artistas integradas. Até se dispôs a tentar enviar membros da secretaria para ajudar a Agem fora do horário comercial, para os ensaios e apresentações dos coletivos locais. “Assume o prédio. Assume o prédio, cara. Por que não assume o prédio?”, foi a resposta do Sadek. Em dezembro, a Prefeitura recusou a consulta de assumir mais um patrimônio.

Culpa é da crise!

É que se o Governo de SP atravessa uma crise financeira, a Prefeitura de Santos com menor potencial de investimento, já teve redução de verba cultural este ano, de equipe técnica e ainda tem o desafio de abrir outros quatro novos centros artísticos previstos até dezembro. E o custo previsto da Cadeia Velha enquanto extinta Oficina Cultural Pagu era de R$ 1,4 milhão anual. Mesmo se isentassem luz, água ou telefone, a Prefeitura sacrificaria as economias para manter aberto o edifício estadual.

A reunião encerrou com uma rara concordância entre o Fabião e o secretário de Educação e Cultura de Cubatão, Raul Christiano (PSDB), repercutindo as demandas dos artistas presentes. Pelo menos, de que duas celas que foram reformadas e adequadas com tablado para artes cênicas e dança fossem utilizadas pelos artistas locais. Entenderam que a Agem assume o piso superior, e que uma cela seria memorial sobre o patrimônio e a Pagu, ícone dos movimentos artísticos de Santos. Além da indefinição inicial sobre a cafeteria planejada.

Mas ignorar os espaços já adaptados para atender os ensaios e produções dos coletivos regionais? O mais discreto dos gestores, o diretor da Agem, Hélio Hamilton, disse “que há legitimidade na demanda dos artistas que frequentam o prédio”. Enquanto a imprensa focava no Sadek, no Edmur e no Fabião na manhã deste dia 11, Hélio procurou a coordenação polo do Projeto Guri, buscando garantir espaços para os primeiros condôminos seguirem com o fazer cultural na Cadeia Velha.

Em Santos, 6º Facult recebe inscrições até março de 2017; confira o edital

Por Lincoln Spada | Foto: Vinícius Terra

O 6º edital do Fundo de Assistência à Cultura de Santos, popularmente 6º Facult, consta no decreto nº 7.628/16, publicado no Diário Oficial desta sexta-feira (dia 30). O concurso municipal de apoio a projetos culturais independentes terá inscrições abertas de 23 de janeiro a 9 de março de 2017.

> Confira o edital na íntegra
> Confira o observatório do Facult

Ao todo, serão R$ 360 mil distribuídos entre 30 produções selecionadas com investimento de R$ 12 mil. Além dos valores, o edital mantém quase todo o conteúdo em relação ao concurso anterior. Entre as raras diferenças, a gratuidade na difusão de obras que não preverem itinerância.

Outra mudança é que agora se entende que o proponente participa de um núcleo artístico e, neste caso, o mesmo núcleo artístico não poderá ter dois projetos aprovados no mesmo segmento. E embora as inscrições sejam ainda presenciais, a Secult se propôs a atender a demanda da comunidade artística em tornar este modelo em uma plataforma virtual noutras edições.

O 6º Facult abrange as áreas de artes plásticas, artes gráficas, artesanato, cultura integrada e popular, circo, artes de rua, dança, música, teatro, cinema, videografia, fotografia, literatura, patrimônio cultural e natural, infraestrutura cultural ou outros segmentos aprovados pelo Conselho Municipal de Cultura.

Leis cumpridas

Com recursos das bilheterias de teatros e demais espaços municipais culturais, o fundo público é gerido pela Secretaria da Cultura de Santos. Desde a sua criação em 2010, esta é a primeira vez que o Facult mantém a sequência anual de editais publicados no valor completo, conforme prevê a legislação municipal.