Filme sobre Martins Fontes será lançado dia 23 na Beneficência Portuguesa

Por André Azenha

“Como é Bom Ser Bom” acompanha um episódio da vida do médico e poeta santista José Martins Fontes (Santos, 23 de junho de 1884 – Santos, 25 de junho de 1937). O filme dirigido pelo cineasta santista Carlos Oliveira (do documentário “Os Canais de Saturnino”) será lançado em 23 de junho, dia do aniversário de Martins Fontes, uma sexta-feira, às 19h, no Salão Nobre da Sociedade Portuguesa de Beneficência de Santos. A entrada é mediante a entrega de um quilo de alimento não perecível, produto de limpeza, cordas de violão ou violão usado. O evento é beneficente em prol da Associação Esculpir.

Martins Fontes considerava o Hospital Santo Antonio, da Beneficência Portuguesa sua segunda casa, onde ele trabalhou como médico e também veio a falecer. Daí a opção do diretor por lançar seu trabalho no espaço. O evento faz parte da programação da 11ª Semana Martins Fontes (de 17 a 23 de junho), incluída no Calendário Oficial de Santos e realizada pela Academia Santista de Letras em parceria com a Secretaria Municipal de Cultura. Haverá distribuição de pipoca e guaraná após a exibição do filme.

Filme

O roteiro do filme, escrito pelo ator Osvaldo Araújo e o cinesta, é baseado em uma história real em que a personagem Dona Nízia (nome fictício), mãe de quatro filhos órfãos de pai, não tinha recursos para pagar o tratamento de uma grave doença. Em seu consultório particular, o Dr. Martins Fontes praticava a verdadeira filantropia, tratando de pessoas de baixo ou parco poder aquisitivo, não cobrando as consultas. Dona Nízia fazia e vendia queijadinhas para sobreviver, e só conseguia “pagar” o seu tratamento médico oferecendo queijadinhas a Martins Fontes. Esta história foi contada a Osvaldo Araújo por seu amigo Durval Siqueira, que, quando era adolescente, trabalhava ao lado do consultório de Martins Fontes e também foi personagem da história.

No filme, um avô (Osvaldo Araújo), passeando de bicicleta pela cidade com seu neto de doze anos (Enzo Gasparin), conta para ele a história de Dona Nízia (Ana Maria Souza) e o médico Martins Fontes (Vanderlei Abrelli). O filme ainda conta com a participação do ator Gilberto Coelho e também do ator adolescente Adauto Luiz, que já participou da novela “Carrossel” e da minissérie “Desencontros”, além de outros trabalhos para TV, cinema e campanhas publicitárias.

O curta-metragem, de aproximadamente 20 minutos de duração, é uma produção independente, cujo projeto foi contemplado pelo 5º Concurso de Apoio a Projetos Culturais Independentes no Município de Santos, com recursos do Fundo de Assistência à Cultura – FACULT em 2016. Para a viabilização do projeto, o diretor Carlos Oliveira contou com a parceria de vários profissionais das artes e do audiovisual, além do apoio cultural de diversas organizações, entre elas: Sabesp, Unimonte, Beneficência Portuguesa de Santos, Sociedade Humanitária, Clube do Choro de Santos, Fórum da Cidadania de Santos, Monte Serrat, Castelinho Fantasias, Instituto Histórico e Geográfico de Santos e Fundação Arquivo e Memória de Santos.

A produção teve a participação de 60 pessoas, incluindo elenco e equipe técnica, além de vários colaboradores, e contou com a facilitação da Santos Film Commission. Como a maior parte das cenas do filme foi ambientada na década de 1930, a equipe esmerou-se na pesquisa histórica, direção e produção de arte. Algumas ruas do Centro Histórico de Santos foram utilizadas como locações.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s